quinta-feira, outubro 19, 2006

E digo mais: deviam era extingui-las!!! Mainada!

Claro que me estou a referir às aulas de substituição!...no seguimento do artigo anterior!
Se no básico são uma autêntica charada, no secundário são simplesmente inutéis!
Eu falo de "barriguinha cheia"...neste dois anos não dei uma única aula de substituição!
No ano passado tinha um aluno de curriculo alternativo...as quatro horas que supostamente seriam para o "part-time" substitution nunca chegaram a sê-lo! Eu só posso dizer é que aquela sala de professores no início do ano era pior que o mercado da ribeira às 6 da manhã quando chegam as traineiras com o carapau fresco...depois lá acalmou...mas muitas pessoas cortaram relações umas com as outras (relações de trablho, off course...as outras não sei...)
Este ano, o orgão de gestão deliberou (não sei se muito bem...) que os professores que tivessem a turma da hortofloricultura (percurso alternativo...tem lá com cada um ké de arrepiar o cabelo...)e tivessem horas de substituição, que estas últimas passassem a ser de apoio à dita turma...ora se por um lado eu passei de substituta a psicóloga educacional, por outro só tenho um tempo para o fazer...enquanto que há outros professores com quatro tempos para dedicar aos infantes...são mais psicólogos que eu, certo?
Dá para perceber o filme?
O que se passa é que (ai minha mãe, lá vou eu cascar na ministra...mas vou falar no plural...senão qualquer dia sou despedida...) estas horas de substituição são a maior aberração que alguém alguma vez inventou...eu sei que há mais aberrações inventadas...mas agora fiquemo-nos pelas horas de substituição...
E porque é que as desgraçadas das crianças não podem ir apanhar ar quando têm um furo? E porque é que um professor tem que ir de ficha em riste para uma aula com uma turma que nunca o viu mais gordo nem mais magro, e tem que lhe obedecer? E porque é que têm que existir essas fichas, esses planos de aula, para as aulas de substituição? E porque é que um professor não pode ir simplesmente fazer actividades lúdicas com os garotos? Sei lá, por exemplo, já que temos que ser tão polivalentes, se fizermos uma aula de substituição de francês, porque não falar francês com os meninos? Era girissimo! Eu sei de um professor que o faz e é um sucesso! aliás, esse professor recusa-se a levar as benditas fichas...improvisa a aula...ora sai uma aula em francês, ora sai uma conversa sobre o preço do petróleo e a crise no médio oriente...isto com miúdos do 8º ano! Mas a coisa corre bem!
Mas claro que é preciso ter feeling, estofo, savoir.faire, para fazer uma cena destas! É claro que isto não é uma crítica! Antes sim, uma constatação! Ninguém é obrigado a ser bom na arte da improvisação!
O ministério (...a ministra...) devia era controlar as faltas que os professores dão! Claro que não é uma questão de matemática...e só 1/3 é que chega a titular...as coisas não podem ser assim tão lineares! Não devemos usar os números em seres humanos...somos falíveis! Graças a Deus! Vão lá mas é ver quem é que passa os atestados médicos falsos, mandem mais juntas médicas a casa dos que estão a faltar mas que foram vistos a passear no parque, dêm lá a reforma a quem está farto de estar no ensino e mete atestado atrás de atestado (falso, provavelmente) e vão ver se é preciso aulas de substituição! Basta criar um corpo docente competente, correr com alguns que não fazem cá falta nenhuma e não são precisos planos de acção nenhuns!
Vai lá vai! Até a barraca abanava! E fico por aqui que estou podre de sono...e com um torçolho no olho direito...boa noite!

3 comentários:

baldassare disse...

mas o que é ,mais irónico nas aulas de substituição no secundário é que o secundário JÁ NÃO É ENSINO OBRIGATÓRIO!!!, ou seja, quem lá está está lá porque quer e nem sequer é obrigado a ir às aulas... para quê aulas de substituição no secundário? Para os meninos (de 18 anos) não se meterem no tabaco e nas drogas??? Na minha escola é permitido fumar nos espaços exteriores, mesmo para alunos... e é mais fácil arranjar charros do que carcaças de pão!
Se é por causa de irem meter-se na droga, dentro da escola é muito pior... se é por causa do abandono da escola pelos alunos, lamento informar que já não é ensino obrigatório! Eu sou a favor de actividades de substituição, desde que facultativas e nunca, mas nunca que o professor que falta mande exercícios para os alunos fazerem (os alunos que façam se quiserem). Quem faltou, faltou! (a não ser em casos de faltarem muito tempo com um professor substituto da mesma disciplina, é claro.)

Se a preocupação é a segurança dos alunos, então porque é que tenho 2 horas de almoço, onde posso sair e ir para onde quiser???

Da manifestação, fica um aspecto positivo: aparecemos na capa do "Badaladas" (o jornal regional com mais tiragens do districto de lisboa), nós os da Henriques, o que não é nada mau e, ao menos, pode-se ver o descontentamento dos alunos. O tema de capa era "não não e não", falando da greve dos docentes e da manife dos alunos...

Boa continuação e bons sonhos!

baldassare disse...

mais uma coisa... reacções de funionários e professores (que também são funcionários) da escola à manifestação:

"Acham bem, aquilo Ontem ?!!", disse a contina da portaria "não sabiam fazer como os alunos da Madeira torres que marcaram a manifestação com o executivo?!!!"

Minha cara xocontina, se falamos de democracia, por favor não nos compare com os da Madeira Torres! Os meninos da Madeira, sim senhora, falaram com o executivo, que deixou fazer a manifestação porque se calhar estão de acordo com as revindicações dos alunos. Mas eles não permitiram que quem quisesse ir às aulas o pudesse fazer. Fecharam a escola a cadiado, nós mantivemos os dois portões abertos. Houve muitos alunos que foram á aula (da minha turma, foram 8 em 26)
Cá, foi uma manifestação espontânea, mas foi para quem quisesse.
Já viu se os ocupantes do Rivoli pedissem "se faz favor" para se barricarem lá dentro? Já viu se quem fez o 25 de Abril chegasse ao pé do marcello caetano e dissesse "olhe, senhor presidente do conselho, podemos fazer uma revoluçãozinhita para o pôr na rua e transformar este país numa espéce de união soviética e, claro, libertar as colónias e os pisioneiros políticos? Podemos?". Bem, se calhar até era bom, não era?, porque se não houvesse o 25 de abril não se podia fazer manifestações e era escusado esta barulheira toda que até incomoda...

"Marquei falta injustificada a todos os que não vieram. (...) gostaram da festa... deve ter sido animada!(...) vocês não são contra as aulas de substituição, vocês são é contra as aulas, assumam! (...) EU ATÉ ESTOU DE ACORDO COM VOCÊS"

Setora, se está de acordo connosco, fosse lá manifestar-se que agente até gostava! Mas se não estivesse disposta à chacota que é, neste país, lutar por aquilo que pensamos, ao menos que não marcasse falta aos que foram a uma manifestação, com a qual, ao que parece, está de acordo. A festa foi gira, até porque mostrámos as nossas opiniões. Fizemos greve e manife e levamos, à sua pala, as consequências... mas é na boa... quem faz as coisas que acha certas, não sente remorsos. Já os que pensam mas não lutam...
Se fossemos contra as aulas, não estavamos no secundário. Se fossemos contra as aulas não lutavamos para um ensino melhor que, do nosso ponto de vista, passa pelo aborto imediato das aulas de substituição. Se fossemos contra as aulas ficavamos uma semana inteira de greve. Se fossemos contra as aulas não marcavamos a manifestação para um dia de greve de setores (em que vamos ter menos aulas) e para uma quarta-feira, que é tarde livre.

Já vão longe os tempos que quem se manifestava era admirado. Em que quem fazia greve era alguém com coragem e disposto a abdicar de um dia de salário (ou de conhecimentos) em prol de pensamentos que se calhar nem vão ser aplicados.
Mas isto é só cá, porque em França quem está descontente sai à rua! Quem está desempregado à muito tempo sai á rua! Quem ouve propostas como o CPE, sai à rua! Quem se sente revoltado sai à rua e invade espaços públicos, queima carros, mostra realmente a sua indignação!

Cá, fazem-se dois dias de greve, uma manifestação com bandeirinhas vermelhas e demais tralha do sótão da CGTP, e fica tudo na mesma, com o sacana do sócrates a lixar o povo e a encher o papo aos banqueiros, economistas, gestores e socialistas (da treta).

Setores: lutem pelo que querem. Mas lutem mesmo! Já que estão na Avenida da Liberdade, apanhem o metro do marquês e vão à AR, a Belém, ao ME, ou ao tribunal. Queixem-se, lutem, faltem semanas ás aulas, façam porcaria, façam golpes baixos, peçam aos alunos para nos juntarmos a vocês, lutem muito, que isto é agora ou nunca mais! Lutem, ou trabalhem até aos 80!

P.S.- não queimem carros

Ctrl.Alt.Del disse...

E mainada!!!