quarta-feira, outubro 24, 2007

Deveres do cidadão

No âmbito do Tema do mês, que é "como educar para a democracia?", tenho postado sobre aspectos da vida democrática que podem ser ensinados e praticados pela Escola. (1 e 2)

Hoje falo dos deveres do cidadão, aquelas regras que todos devemos cumprir, e que muitos tiveram que as aprender por si próprios e outros... nem sequer as aprenderam.

  • Deveres do cidadão:

Como é que se pode educar para que os futuros cidadãos cumpram as regras da sociedade? Em primeiro lugar há que ensiná-las, para que sejam conhecidas por todos. Mais uma vez é necessário que se reformule a Formação Cívica (FC) no ensino básico e que se crie FC no secundário. Mas há que fazer mais que isso.

Por exemplo, podemos ensinar a ter respeito pelo que é de todos se a escola emprestar manuais aos alunos. Para além do benefício económico para as famílias, isso seria uma grande aprendizagem cívica. O aluno tem livros da escola. Se os estimar, passam para outro aluno; se os estragar, terá que os pagar. (Se, por acaso, quiser ficar com o livro, também pode pagá-lo...)

É com estas pequenas coisas que se cria um espírito de respeito pela comunidade. Esta medida já está implantada em França e em outros países, e até mesmo cá, em escolas privadas. Constitui uma maçada para a máfia dos manuais escolares, uma grande poupança para as famílias, uma medida anti-abandono escolar, e uma maneira de ensinar a viver em sociedade. E sabem o que é que é melhor? O Estado consegue os manuais a um preço incrivelmente mais baixo que o PVP actual (se consegue portáteis a 150€...) e garante que o mesmo manual (o mesmo programa, o mesmo tipo de preparação) seja adoptado em todo o país, o que pode garantir a qualidade do programa e equidade na avaliação.

Outra maneira de ensinar os deveres do cidadão é mostrar que o desrespeito pelas normas em sociedade não é impune. Os dias de suspensão são um castigo que só deseduca. Um dia (ou dois, ou três...) de suspensão não é nenhuma punição, é uma festa... Então o que é que fazemos? Batemos? Não! Segundo a gravidade do caso aplicam-se trabalhos escolares (ao menos é algo útil...), intervalos na sala de aula, ou até segundo o modelo americano: escola ao Sábado. Esse modelo americano não me parece mau. Pelo menos pelo que vemos em filmes, os alunos escrevem sobre cidadania ou regras de conduta... Mas isto seria num caso de já alguma gravidade... Pior que isto, só mesmo a expulsão...

Aplicam-se os castigos consoante aquilo que é feito. Não concordo com os dias de suspensão, pelo que já mencionei, nem com o trabalho comunitário dentro da escola. Este último não concordo por ser humilhante e normalmente feito sem esmero. Um aluno a varrer o chão ao pé de todos os colegas é demasiado humilhante e pode causar problemas sociais ao aluno, até mesmo tornando-o um adulto complexado e talvez violento. Ou seja, faz tudo o que devia remediar...

Portanto, para educar para os deveres do cidadão, a escola tem de ensinar as regras de vida em democracia, usar métodos práticos (como o dos manuais emprestados, por exemplo) e punir ponderadamente os infractores, com castigos adequados à infracção, nem demasiado benévolos, nem demasiado humilhantes.

Para a próxima falarei do Respeito pelas minorias/Tolerância

16 comentários:

Catarina disse...

«Um aluno a varrer o chão ao pé de todos os colegas é demasiado humilhante e pode causar problemas sociais ao aluno, até mesmo tornando-o um adulto complexado e talvez violento.» Desculpe que lho diga, mas você é esquisito. Humilhante? Se o menino encheu o chão de lixo, é humilhante limpá-lo? As desgraçadas das contínuas fazem-no todos os dias e ainda nenhuma se tornou complexada nem violenta por causa disso. Pois sempre lhe digo que uma coisa de que muitos - ia dizer «a maioria» mas enfim - dos meus alunos têm falta é da capacidade de se pôr no lugar do outro. Se tivessem que limpar o que sujam, de arranjar o que estragam, de reparar o mal que fazem, de se pôr no lugar de outra pessoa, talvez fossem pessoas melhores.

Anónimo disse...

apoiadíssimo catarina! há muita falta de ducação neste país...andamos sempre com os meninos "ao colo"...tadinhos ...para não ficarem traumatizados...no meu tempo não era nada assim...havia respeito! agora temos o 319...para todos e mais algum!!! e os bons alunos que se f...ké mesmo assim!

baldassare disse...

Catarina:

"Se o menino encheu o chão de lixo, é humilhante limpá-lo?"

Não. Eu estava a falar de dar castigos em forma de trabalho comunitário em escola, para infracções que não têm nada a ver com sujar/estragar. Se um aluno mandou lixo para o chão, o contino ou professor deve mandá-lo apanhar o lixo. Mas por exemplo: um aluno insultou um professor. Dar o castigo de trabalhos comunitários é uma má ideia. É que há escolas onde este castigo é aplicado pelo CE por qualquer situação, mesmo que o aluno não tenha sujado nada.

"As desgraçadas das contínuas fazem-no todos os dias e ainda nenhuma se tornou complexada nem violenta por causa disso."

Só se fôr na sua escola... :-)

As continuas não têm 15 anos. As contínuas não estão no meio de colegas que podem pegar nisso e gozá-la para o resto da vida escolar, ou arranjar uma alcunha.
E as contínuas são pagas... é a profissão que têm. São mal pagas, mas isso é outra história.

Anónim@:
"no meu tempo não era nada assim"

Nem é suposto que seja. Eu acho curioso quando me vêm com esta lógica: No meu tempo havia coisas injustas e, por uma questão de justiça, as gerações futuras vão ter de continuar a suportar essas injustiças.
Isso não é argumento.

Anónimo disse...

Outra vez com a história da FC no secundário?
Desculpe, mas não há pachorra.
Sobre os castigos, não tive tempo de ler tudo o que escreveu.
Mas discordo do que li.
Qual é para si o castigo para um aluno que insulta um professor?
É ser-se "generoso", como diz o Sr. Albino da Confap?

baldassare disse...

"Qual é para si o castigo para um aluno que insulta um professor?"

Como disse no texto (possivelmente na parte que não leu), sou pela atribuição de trabalhos escolares, por passar intervalos na sala de aula e, em casos mais graves, fazer como os americanos: aulas ao fim-de-semana.
Destes, há que escolher segundo o caso específico... isso cabe ao CE.

Noto uma coisa nos professores que comentam neste blogue: estão muito mais habituados a falar da escola enquanto local de trabalho do que enquanto escola.
Neste blogue aborda-se tudo sobre a escola, com especial atenção para questões de educação, e não tanto questões laborais. Como tenho andado a falar sobre educação para a cidadania, repeti, em contextos diferentes, a necessidade de se apostar numa formação cívica a sério, até ao 12º. Possivelmente irei voltar a repeti-lo... tenha paciência...

Anónimo disse...

1º Se o estatuto do aluno passar, de que servem as aulas ao fim de semana se durante a semana os alunos podem faltar e no final do ano realizar uma prova de equivalência à frequência?
2ºQue "casos mais graves" está a considerar e que cabem ao CE "corrigir" com trabalhos escolares segundo os casos específicos?
3º Se como EE que sou, o meu filho fôr esfaqueado na escola, estou a referir um aspecto laboral?
4ºPelo que constato, está de acordo comigo quanto à FC que tem existido ser a brincar na maioria dos casos. Assim sendo, o que é para si uma FC a sério?
5º Não concorda que esta área é transversal aos programas das várias disciplinas, tornando-se redundante e sobrecarregando a carga horária dos alunos?

Anónimo disse...

6ºNão concorda também comigo que esta Fc poderá ser abordada e trabalhada na outra parvoíce educativa que é a Área de Projecto no 12º ano? Assim ficavam 2 em 1.
Se isto não é falar em questões de e da educação, estarei a falar de questões laborais?
7º Eu tenho paciência e até gosto de ler os seus posts.Se não gostasse, não me daria ao trabalho de responder.
Cumprimentos

baldassare disse...

1º- Servem como castigo. Ok, não leu mesmo o texto todo... "Esse modelo americano não me parece mau. Pelo menos pelo que vemos em filmes, os alunos escrevem sobre cidadania ou regras de conduta".
Ao menos faz o aluno pensar no que fez... e vai evitar repeti-lo, porque ninguém gosta de tranalhar ao sábado... Tem uma solução melhor?

2º- Isso não é o meu trabalho. Eu acho que a pena máxima aplicável pelo CE é expulsão. Num caso em que isso se justifique, o aluno deve ser expulso... Saber em que situações e a que alunos aplicar determinada pena é a função do CE, que tem mais dados do que eu ou do que o Ministério...

3º- Não. É um caso de polícia, que transcede o poder do CE, da DRE ou do ME. A polícia e os tribunais que tratem disso.

4º- Ainda ontem estava sem pachorra para a FC e agora quer que eu lhe repita o que já escrevi mais que uma vez?? Amanhã dou-lhe um link, se me lembrar. Porque essa é uma grande questão.

5º- Actualmente, não é. E mesmo que fôsse, penso que tem de haver uma FC a sério, onde se ensina os alunos a tornarem-se bons futuros cidadãos. O que acho que sobrecarrega a carga horária é disciplinas inúteis como AP e EA e excesso de horas de Ed.Física. No secundário, há 3 bolcos semanais de 90 minutos por específica. Em algumas disciplinas, este tempo é necessário e até escasso (Matemática A...). Noutras, é uma perda de tempo.


Até amanhã!

baldassare disse...

Só agora é que li o 2º comment.

6º- Concordo, embora não saiba muito bem o que se faz em AP, na prática. Sei que eu, como vou escolher psicologia, vou andar à nora para fazer um projecto e apresentá-lo à comunidade...
A FC a sério é essencial na criação de uma sociedade cívica. Cada regime coloca os seus valores na Escola. No caso da democracia, isso é muito delicado, porque a democracia é percisamente o sistema onde todos os valores e opiniões são permitidos... é uma tarefa difícil, mas que tem de ser enfrentada, para a sobrevivência do sistema democrático.

7º- Obrigado. É sempre bom saber...
Eu também gosto que me contestem. Afinal, é para isso que estamos cá, não é?

baldassare disse...

Eu disse: "A FC a sério é essencial na criação de uma sociedade cívica. Cada regime coloca os seus valores na Escola. No caso da democracia, isso é muito delicado, porque a democracia é percisamente o sistema onde todos os valores e opiniões são permitidos... "

E como é que isso se faz? Cria-se um espaço de liberdade de expressão e debate. Também um espaço de estudo de teorias políticas (para se conhecer do que se fala) e de ética prática: FC.

Anónimo disse...

Nem tudo o que se vê nos filmes é realidade. Muitos são pura ficção.
Mas a questão é, como fazer os alunos virem à escola aos sábados, se, o estatuto do aluno, a passar, lhes permite não irem à escola durante semanas?
Concordo consigo quanto à imbecilidade das outras áreas que referiu, embora esteja a ser contraditório com o seu próprio raciocínio.
Agora uma coisa não posso mesmo aceitar nem condescender: Acha mesmo que a carga lectiva de EF é excessiva?
Curiosamente é por aí que passa a minha resposta à sua pergunta. "Tem uma solução melhor?"
Tenho.
Mais aulas de EF!!
a) espírito de equipa;
b) respeito por regras;
c) competição;
d) saúde física e mental;
e) bons hábitos de higiene e alimentares;
f) saber ganhar e saber perder;
g) libertar de energias;
h) os EEs dos alunos com dificuldades económicas não teriam de gastar balúrdios em actividades físicas em clubes privados
etc, etc
Quer melhor FC do que esta, oferecida por esta disciplina?
E nem estão fechados em salas.....
Até amanhâ

Anónimo disse...

E combate a obesidade infantil...
Continuo em questões educativas e cívicas.
Eu nem sou professora de EF, por isso não me pode acusar de defender questões laborais.
Mas sou mãe de duas filhas que gostam muito das aulas de EF e que abominam aquelas áreas que já mencionei.

Maria [SmartiezZ] Lyz disse...

Mas não é EF que nos vai ensinar uma profissão nem orientar na faculdade ! Já a Matemática ...

baldassare disse...

"Nem tudo o que se vê nos filmes é realidade"
Claro que não. Mas, neste caso, como já vi em muitos filmes e como nunca fui aos EUA investigar, assumi que não fôsse coincidência que todos os filmes mostrassem essa realidade. Ainda que essa seja apenas uma irrealidade mostrada nos filmes, apoio a sua aplicação como medida punitiva em certos casos... Se Jesus era só um personagem, era um bom personagem...

Quanto ao que escreveu sobre EF: não tenho a mesma visão romântica que tem de EF.
Acho que a EF é, muitas vezes, uma disciplina militarista na relação professor-aluno. Mais militarista que qualquer disciplina e muito mais militarista que uma disciplina de FC deveria ser.

Além disso, não há debate, não há incentivo à liberdade de expressão e quanto a comportamentos cívicos... não consideraria o desporto um exemplo (e não estou a falar do desporto enquanto ideal, mas na realidade). As únicas cenas de pancadaria que tenho visto na escola foram durante actividades desportivas.

Quando digo que há demasida carga horária de EF falo sobretudo no secundário, onde há 4X 45 minutos semanais de EF... E além disso, na minha escola, cada turma é obrigada a apresentar uma equipa e um árbitro para as actividades do departamento de EF, que nos ocupam as tardes de 4º feira.

"Eu nem sou professora de EF, por isso não me pode acusar de defender questões laborais."
Esteja descançada que já perebi que estamos a falar de coisas a sério...

Eu também detestava AP, EA e até FC, porque não constituía uma verdadeira formação cívica, mas uma área de assuntos de direcção de turma. Só no 9º ano é que demos sexualidade, mas de resto... nada.
O mais enervante é que só tínhamos 90 minutos por semana de História! Ou seja, só chegámos até ao 25 de Abril. A parte do mundo actual não foi dada... para quê? Para estarmos a pastar nas aulas de AP e EA???

Boa tarde!

Anónimo disse...

aki não e portal de gay ta ligadu
... vcs que são vagbundos fokil quel foi mas sei que essas desgraças sao uma merda otem 10/25/2007 vi escrevero numa placa



vedisi cachoorro que ti e mais 36 cet uma pipoca com e sal bem salgada um jarana ben dociiu umm..... que pova
so 129 centavus
amem


vai a merrda aff + lol

Anónimo disse...

Vái pra casa du caramba