quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Mais aulas com os piores

Pergunta da semana: «Os melhores professores vão ser professores titulares, e os professores titulares vão trabalhar menos, ou seja, os melhores professores são os que vão dar menos aulas, logo os alunos vão ter mais aulas com... os piores professores. Porquê?»

Comentário de Ctrl.Alt.Del: «Correcção: os professores titulares não são os melhores, são os mais velhos... Ou não fosse esse único cargo deste país, além do de presidente da república, que impõe uma determinada idade ao seu titular...
Logo, os mais velhos vão trabalhar o que já trabalhavam, provavelmente ainda mais com a papelada que lhes vai cair em cima, e os alunos vão continuar a levar com os do costume. A Oeste nada de novo... (excepto para nos cofres do estado...)»



Quer dizer... supostamente há uma avaliação aos professores e só os melhores vão para a carreira titular, que é a única a dar acesso ao 10ºescalão... que é o escalão em que se tem menos horas! Ou seja, segundo esta lógica, os melhores são os que dão menos aulas, o que faz com que os alunos tenham mais aulas com os piores (que dão mais horas de aulas)... isto mostra uma coisa: hoje em dia os últimos a ser considerados nas decisões são os alunos!
A Escola é encarada como é encarada uma repartição de finanças ou um posto dos CTT, onde os professores são o centro e os alunos são meros entraves ao trabalho dos professores.
Os alunos são um meio e não um fim.
Não interessa se os alunos têm um melhor/pior ensino, o que interessa é criar um sistema de carreiras "justo para o professor"! Quanto aos alunos, "eles safam-se..."

2 comentários:

Ctrl.Alt.Del disse...

Só podem aceder ao concurso para professor titular que se vai iniciar os professores dos actuais 8º, 9º e 10º escalões. Logo, os professores titulares que vamos ter são os mais velhos, independentemente de haver nos 3º a 7º escalões professores melhores do que estes.

Os alunos são considerados para as carreiras dos professores, na medida em que o seu sucesso condiciona/demonstra para o ME o êxito/fracasso do professor.

De resto, desde que organizados em associações de estudantes, têm muito mais poderes do que aqueles que estariam aptos para exercer dentro de uma escola...

A escola é o local de trabalho do professor, assim como a repartição de finanças para o fiscal do irs, ou o porto dos ctt para o carteiro. Não há mal nisso, ao contrário de encarar a escola como ponto de encontro com os amigos, processo no qual os professores e o seu trabalho são vistos como meros entraves à diversão plena.

baldassare disse...

vou responder ao comment por parágrafos:
1- Sim, mas aqui o que interessa é o conceito. O conceito de "titular" é aquele que foi melhor avaliado como professor (mesmo que não o seja, supostamente é), portanto não faz sentido que os alunos tenham mais tempo de aulas com os que não são titulares. Que se faça justiça de outra maneira: pelos salários, por horas na biblioteca ou sala de estudo etc... Mais uma vez repito que o que eu ponho em causa é o conceito de os (supostamente) melhores darem menos aulas...

2- Claro que são considerados... mas o problema é o sucesso dos alunos ser, tal como disse no post, um meio (para chegar à santa justiça nas carreiras dos professores) e não um fim (porque se fosse um fim punha-se os supostos melhores professores a dar mais aulas). O problema não é a maneira como os alunos são tratados, é a maneira como são encarados na Escola.

3- E quais são os poderes que os alunos "estariam aptos"? "aptos"???
As associações de estudantes nem têm acento na Assembleia de Escola, e mesmo os representantes dos alunos+ representantes dos pais+ representantes dos funcionários não-docentes+ representantes das autarquias são sempre menos do que os representantes dos professores! Ou seja, hoje o poder dos alunos na escola é ZERO. Mas eu isso não ponho em causa... eu apenas peço que sejam considerados pelos professores e governantes como a classe mais importante da Escola e a que deve ser o centro, quando se tomam decisões.

4- Talvez por a escola ser APENAS o local de trabalho do professor é que os alunos deixaram de se interessar pela Escola. Quando se criam leis laborais para carteiros e fiscais do IRS, não se tem em conta os direitos e condições das cartas e do IRS. Quando se criam leis laborais para os professores, devia-se ter em conta os alunos, mas parece que para si e para o Sócrates, as cartas estão para o carteiro como os alunos estão para o professor... são uma trabalheira, mas tem de ser, porque se não fossem eles, não subimos na carreira.